Portal Parnaiba informa,

sábado, 17 de fevereiro de 2018

Olhem o nível dos políticos da Parnaíba:Vereadores Bernardo Lima e Ronaldo Prado,quase saem aos tapas na câmara municipal de Parnaíba

O vereador Ronaldo Prado pergunto ao vereador Bernardo Lima se ele comprou o diploma de advogado, pois nem no exame da Ordem dos Advogados do Piauí conseguiu passar.
Em pleno século XXI, dois vereadores (Bernardo Lima e Ronaldo Prado), pais de família, ambos com curso superior, ameaçarem-se ir aos bofetes, para resolverem suas diferenças políticas. 
Olhem o nível dos políticos da Parnaíba, a 2ª e mais importante cidade do Estado e o 2º maior colégio eleitoral.
Sem dúvida, os dois vereadores fecharam, na última quinta feira, com chave de ouro, as sessões ordinárias do mês de fevereiro.
ENTENDA O QUE ACONTECEU:
A sessão ordinária da última quinta-feira (15), da Câmara Municipal de Parnaíba, foi tumultuada e com agressões verbais entre os Vereadores: Ronaldo Prado (PPL) e Bernardo Lima (PP).
Tudo começou quando o Vereador Bernardo Lima insinuou que no Legislativo existia um Vereador com sintomas de Alzheimer e que o mesmo Vereador estava querendo ser o pai da criança de uma obra realizada pelo Governo do Estado, numa comunidade da zona rural do Município. 
O Vereador Ronaldo Prado vestiu a carapuça.
Ronaldo Prado retrucou. "Eu não sei se V.Exa. realmente estudou ou se comprou o diploma, pois nem no exame da Ordem dos Advogados do Brasil conseguiu passar", pontuou Ronaldo Prado, logo depois de bater forte na mesa.
"Baixe sua bola, vereador de primeiro mandato, não vou admitir ser chamado de doente dentro do plenário dessa casa", disse.
Bernardo Lima repetiu o gesto do Vereador Ronaldo Prado e deu uma sonora pancada na mesa. "Se a carapuça serviu o problema é seu. Se você é homem pra bater na mesa eu também sou. Eu tenho problemas é nas pernas e não nos braços. Seja homem, seu moleque", frisou Bernardo Lima.

Com informações do Facebook de Hudson Pereira Veras
Fonte: Walter Fontenele
Foto: Divulgação

Duas mulheres foram pegas pelas câmeras de videomonitoramento trocando socos, tapas e puxões de cabelos no meio da rua em frente à Delegacia

flagra aconteceu na manhã desta sexta-feira (16), em frente ao prédio da Delegacia de Polícia Civil de Cocal, cidade ao norte do Piauí. 
Duas mulheres foram pegas pelas câmeras de videomonitoramento trocando socos, tapas e puxões de cabelos no meio da rua em frente à Delegacia.
Como aconteceu
As imagens mostram o momento em que as duas chegaram ao local, cada uma em sua motocicleta, e começaram em seguida a discutir. Um guarda municipal do distrito chegou para amenizar a situação. Quando tudo parecia em paz, uma delas, ao sair na moto, bate na outra com moto propositalmente; a outra mulher se revolta e ambas partes para a agressão física.
Novamente o guarda municipal aparece para intervir e separar a briga. As duas foram levadas para o interior da delegacia para prestarem esclarecimentos:
Veja o vídeo:

Gilberto Silva dos Santos pulou muros de residências para fugir dos policiais e se escondeu dentro do teto de uma casa

Gilberto Silva dos Santos e Herbert dos Santos Pereira
A Polícia Militar cumpriu um mandado de prisão em desfavor de Gilberto Silva dos Santos, foragido da penitenciária Major César, por volta das 12h de sexta-feira (16/02), no Bairro Piauí, em Parnaíba. 
Segundo a polícia, quando a guarnição militar chegou ao local, à Rua Anhanguera, flagrou Gilberto vendendo drogas para um jovem identificado como Herbert dos Santos Pereira, 18 anos, e rapidamente saiu correndo para fugir do flagrante.
O homem pulou muros de residências para se desvencilhar dos policiais. Quando chegou o reforço, encerrando em três guarnições, o cerco foi fechado à Rua 12 de Março. 
Após duas horas de atuação, o Gilberto foi encontrado em uma residência trancada e estava escondido no teto. 
Nesta casa havia um adolescente. 
Diante disso, as três pessoas envolvidas foram conduzidas para a Central de Flagrantes. 
O mandado de prisão foi expedido pelo Juiz José Vidal de Freitas Filho, da Vara de Execuções Penais de Teresina. 
O adolescente foi liberado, em seguida.

Viralizou nas redes sociais:Caos no HEDA em Parnaíba:corpo clínico é insuficiente para a demanda

Viralizou nas redes sociais nesta sexta-feira (16) um vídeo de uma mãe com uma criança de quatro anos que estava passando mal e foi ao pronto socorro do Hospital Estadual Dirceu Arcoverde (HEDA), em Parnaíba e após aguardar por muito tempo sem ser atendida resolveu ir embora a procura de recursos médicos em outro local. 
A criança vomitava no momento da filmagem.
No mesmo vídeo um idoso de 72 anos reclama que também aguardava por atendimento. 
Outro homem que veio da cidade de Cocal a procura de atendimento médico para sua esposa, mas também ainda não havia sido atendido.
Nos últimos dias têm surgido inúmeras reclamações sobre a piora no atendimento do HEDA aonde pacientes chegam a ser internados em cadeiras de plástico por falta de leitos.
Percebem-se os esforços dos dedicados servidores daquela casa de saúde para conseguir fazer o atendimento aos pacientes que chegam de Parnaíba e cidades vizinhas, inclusive do Ceará e Maranhão, mas o corpo clínico é insuficiente para a demanda.
Por José Wilson | Jornal da Parnaíba

Carlos França de Sena,conhecido como Sena,técnico judiciário da Justiça Federal em Parnaíba,é condenado a 3 anos e 6 meses de detenção, em regime aberto, pelos crimes de lesão corporal culposa na direção de veículo automotor e por deixar de prestar imediato socorro à vítima

Técnico judiciário da Justiça Federal em Parnaíba
Carlos França de Sena, conhecido como 'Sena'.

 Carlos responde a outros processos por dirigir embriagado e porte ilegal de armas, “não gozando assim de boa conduta social, embora seja Servidor Público da Justiça Federal desta cidade”.
A juíza de direito Maria do P. Socorro Ivani de Vasconcelos, da 1ª Vara Criminal de Parnaíba, condenou o técnico judiciário da Justiça Federal, Carlos França de Sena, a 3 anos e 6 meses de detenção, em regime aberto, pelos crimes de lesão corporal culposa na direção de veículo automotor e por deixar de prestar imediato socorro à vítima. A sentença foi dada, na última quarta-feira (14). Ele ainda teve suspensa a habilitação para dirigir pelo prazo de 02 anos e 04 meses.
Segundo denúncia do Ministério Público do Estado, no dia 18 de Julho de 2015, por volta da 14h40, na BR 343, no sentido Parnaíba\Luís Correia, Carlos, que dirigia um veiculo GOLF, placas OGZ0920, ao fazer uma ultrapassagem proibida, acabou por colidir com os veículos Renault Duster e Pajero ocupados pelas vítimas Vander Lima Vasconcelos, Natane Luise Andrade de Carvalho, John Lennon Veras e Crislane de Sousa Soares.
Narra a denúncia que Vander e Natane trafegavam pela BR 343, na Pajero, quando foram surpreendidos por uma ultrapassagem do veÍculo conduzido por Carlos, em local proibido, e na curva que fica antes da Lagoa do Portinho, sendo que no sentido contrário seguia o veículo Renault Duster em que iam as vítimas John Lennon Veras e Crislane de Sousa Soares. Para evitarem a colisão frontal com o veículo do acusado foram para o acostamento, porém, ao retornar para a pista foi atingido pelo carro de Carlos.
Os veículos capotaram e os ocupantes acabaram se ferindo. O denunciado então fugiu sem prestar socorro às vítimas e abandonou o carro. O servidor da Justiça Federal negou o fato e disse que não fez nenhuma ultrapassagem proibida e que abandonou o carro, pois o pneu furou e que ele não foi o autor do crime.
“O acusado embriagado e na direção de um veículo tinha a obrigação de prever o resultado. Todavia, negligente, imprudente e imperito, não o previu, daí que agiu com culpa e não com dolo, pois não queria o resultado que culminou por provocar com a sua ação”, diz trecho da sentença.
O magistrado destacou ainda que Carlos responde a outros processos por dirigir embriagado e porte ilegal de armas, “não gozando assim de boa conduta social, embora seja Servidor Público da Justiça Federal desta cidade”.
Prisão
Em novembro de 2016, Carlos França foi preso pela Polícia Militar por dirigir veículo embriagado na Avenida São Sebastião, em Parnaíba. 
O estado de embriaguez foi constatado por meio de um teste de alcoolemia.
Por Brunno Suênio/GP1